Home » » MINHA NAMORADA É MUITO PUTINHA

MINHA NAMORADA É MUITO PUTINHA

Eu tinha 20 anos quando comecei a namorar, uma das mulheres mais gostosas que namorei. Ela tinha 18 anos, branquinha, cabelos castanhos, transbordava sensualidade e, além disso, era uma boa amiga. Entre seus dotes físicos o que mais me chama a atenção é seu lindo rosto de menina novinha, mas partindo para o que realmente interessa, apesar de seus 1,50 a putinha tinha um belo par de seios quase sempre parcialmente a mostra em generosos decotes e uma bunda muito bem feitinha, durinho devido as constantes horas de malhação.
Vivemos juntos muitas aventuras, o sexo nunca foi um tabu entre nós. Apesar de muito novos (eu e ela) tinha um grau de safadeza bem intensa entre nós. Tínhamos vontade de experimentar tudo que o sexo podia nos dar, sem limites ou pudores. No primeiro dia que ficamos durante a primeira festa da faculdade, tiramos muitos sarros, ela toda se querendo, deixando tudo acontecer. Toquei uma siririca para ela num lugarzinho afastado, depois quando fui deixa-la em casa, ela me chamou para dentro do prédio e nas escadas me fez um maravilhoso boquete, chupou igualzinha uma menina putinha de 18 anos faz, com muito tesão! Nossa relação prometia muitas aventuras. Começamos a nos envolver cada vezes mais, o sexo melhorava de forma exponencial, rolava de todo, oral, vaginal e anal (segundo ela eu fui o primeiro a comer seu cuzinho), a menina aprendeu rapidinho.
Depois de uns 3 anos de relacionamento começamos a temperar nossas transas com algumas fantasias mais picantes, entre elas a que deixa minha namorada com mais tesão era a possibilidade de colocar outro homem na nossa cama, a safada adorava me dar de 4 imaginando outro caralho (bem dotado) na sua boca. Ela adorava imaginar um vizinho negro, pois nunca tinha dado para um negão. Outro artifício que usávamos em nossas transas que a deixava com muito tesão era quando a chamava por outros nomes (inclusive da mamãe dela, Dona Cláudia), sua xaninha ficava em brasa quando fantasiávamos com nossas amigas eoutras mulheres próximas. Minha pequena putinha gozava horrores, quando fingia ser outras mulheres, transava de uma forma toda especial, rebolava de diferentes maneiras, as vezes era mais recatada e em outras transas era mais safada, pedia gozo na boca e para colocar no cuzinho, dizia até que era virgem atrás, fazia caras e bocas, pedia para ir com cuidado e as vezes para fuder sem pena. O detalhe mais legal é que quase sempre usamos camisinha nestas transas especiais, coisa que não era comum entre nós dois, tudo de forma a dar mais realismo a fantasia (esta fantasia rendeu muitas histórias até como minha ex-sogrinha). Com o passar do tempo nossas fantasias aumentaram, assim como nossa vontade de experimentar tudo aquilo que imaginávamos na cama. Numa ocasião comprei um consolo de borracha, uma bela piroca de uns 20 centímetros e bem grossa. Ela delirava com o brinquedinho, adora chupar enquanto eu estava comendo sua bucetinha. A única coisa que ela deixou a desejat foi não ter colocado o consolo na rachinha enquanto fudia seu cuzinho, queria muito imitar uma dp (dupla penetração), naquele cuzinho apertado e rosinha. Chegamos a tirar algumas fotos para trocar com casais, não foi nada além de poucos contatos que não duraram muito tempo. É lamentável. Se procurar você acha estas foto na net, tem que procurar.
Vivemos algumas situações ousadas, entre elas foi durante uma bebedeira na minha casa com um grande amigo. Ela estava de saia curtinha, mostrando suas belas coxas, o que visivelmente deixava meu amigo desconcertado, combinei com ela a seguinte situação: ela iria fingir que estava com sono e deitaria na minha cama, uma vez que estávamos em minha casa sozinhos, apenas nos três, enquanto eu colocava uma pilha nele para irmos ver minha namorada dormindo apenas de calcinha (como o combinado) aproveitar para passar a mão nela. Dei mais um tempo na cozinha, tomamos mais umas doses de rum, até que tomei coragem e fiz a proposta para ele. Homem é foda, dado o grau de amizade, ele sabia de uma ou outra aventurinha nossa, mas sempre foi muito respeitoso com ela.
Entramos no quarto, estava iluminando apenas por uma luminária. Quando entrei a vagabunda estava deita de lado, fingindo que dormia, mas toda peladinha e sem coberta. Não foi isso o combinado. Viramos ela com cuidado para aproveitar melhor, deixamos a putinha de barriguinha para cima com as pernas bem abertas. A safada me deu um sorriso escondidinho, quando olhe para traz meu amigo passava a língua na sua fenda, bem aparadinha, apenas um finíssimo caminho de pelos pubianos, que davam continuidade a sua rachadinha. Eu fui nos peitos, começamos a revezar. Até que o cara colocou o pau para fora e me pediu para come-la. Me bateu um certo ciúme. Disse que não, pois ela poderia acordar. Subitamente sugeri que gozassemos na cara dela, na intensão de acabar com a situação que apesar do tesão, mexia muito comigo ainda. Sabia que ela não gostava muito de gozo na cara, foi pela “sacanagem” de não ter usado calcinha. Assim fizemos batemos um pouco de punheta, cada um de um lado da cama e lambuzamos a cara dela. Dei um jeito de mandar o parceiro embora, depois de outras doses na cozinha.
Quando voltei para o quarto à safada estava limpando a cara, tirando o excesso com as mãos e lenço umedecido. Fiquei novamente muito excitado com a cena, nem dei tempo para ela pensar, já fui logo abrindo suas pernas e ficando fundo na sua buceta, que estava enchercada, na tradicional posição do papai e mamãe, como a que aquela menina grita – goza na minha buceta seu puto. Com toda a certeza todos meus vizinhos sabe como ela geme gostoso quando está gozando. Coloquei ela de 4 e meti com toda pressão, não demorei muito gozar no fundo da sua vagina. Esse dia foi inesquecivel, agora estamos procurando um amigo de verdade para meter nela gostoso e eu vou filmar e tirar fotos ...
 
Support : Copyright © 2015. diariodeuna esposaobediente - All Rights Reserved